Aprenda a invadir sua casa

Esse post é um curso rápido de como invadir sua própria casa.

Na verdade ele ilustra o meu tédio: Hoje é domingo, amanhã é feriado aqui na Espanha, e o chato é que eu e as meninas da minha casa somos as únicas que não viajaram. Pra piorar, hoje acordamos às 17h, ou seja… perdemos um dia que poderia ter sido proveitoso pela grande Madrid. Só de raiva vou fazer uns 15 posts (tava precisando atualizar, né?)

Bom, aproveito para começar com uma aventurazinha dessa semana que passou.

Como sempre saímos juntas pra faculdade e voltamos também, eu desisti de carregar minha chave. O problema é que num dia desses voltei com a Raissa pra casa e quando nos deparamos com a porta trancada, nenhuma das duas tinha a chave. Tocamos a campanhinha e nada de ter gente em casa. Conformadas, sentamos na escada, ela com o 3DS, e eu com o iPod jogando joguinhos, o melhor era que nossa conexão wifi de casa tava funcionando do corredor. Rs.

Finalmente eu lembrei que da nossa sacada dava pra subir a escada de fora do prédiozinho e ir até o terraço (Sabem aquelas escadas de filmes que tem por fora dos prédios? Então, no nosso tem, mas é na parte de traz e é em espiral, pra ir pro terraço e descer pra piscina, já que tem só 3 andares).

Então sugeri que a gente subisse até o terraço, de lá descesse pra nossa sacada pra conferir se tinha alguma janela ou porta aberta.

Eu achando que seria a coisa mais fácil do mundo, mas quando chegamos lá em cima tinha 3 portas de acesso diferentes pro terraço. Uma que não tinha nada, a que dava acesso à nossa escada, e estava, obviamente, trancada. E a terceira tinha um murro gigante, mas que se pulado dava acesso a querida escadinha. E aí?

Já fui dando mãozinha pra Raissa subir e pular o murro. Agora vejam a descrição da pessoa a partir de então:

‘’Laurellie me deu pézinho e aí eu me estribuchei pra cima do muro e fiquei la encalhada por alguns segundos.  Depois eu tive que descer por que ela ameaçou me empurrar (como ela sempre faz – principalmente nos trilhos do metrô), aí eu quase rolo pro poutro lado. Depois eu desci a escada em espiral e cheguei na nossa varanda, mas tinha uma porra de um varal na minha frente e eu tive que passar de quatro por baixo dele. Pra completar a situaçao tinha uma mulher com uma criança vendo tudo do outro prédio. Bom, agora vem a parte dolorida da coisa: eu invadindo minha própria casa. Primeiro eu tentei levantar o blackout pra abrir a janela, até ai beleza, mas então a mulher com a criança começou a olhar suspeito e pegou o telefone. Na hora pensei: porra, vai chamar a polícia. Depois de levantar o blackout ele nao queria ficar parado, caia o tempo todo. Então eu comecei a fuçar algo pra segurar e achei uma embalagem velha de suco, vai ter que servir. Eu segurei o blackout com a embalagem e fiquei tentando me enfiar pela fresta da janela, e como sabemos se a cabeça passa o resto do corpo tambem, eu arrisquei. Ai eu comecei a me esgueirar pela janela e fiquei presa metade pra dentro metade pra fora. Que desespero! Aí, eu comecei a engatinhar pela cama pra ir puxando o corpo e usei a baulustrada da varanda como apoio pra poder passar. Resultado: 2 joelhos doendo e a promessa de nao esquecer a chave nunca mais!’’

Depois disso ouvi um barulho de porta abrindo. FOI LINDO! hahaha

Lembrando que sou uma pessoa muito boazinha e não empurrei minha miguxa.

 

Madrid: Museo Nacional del Prado

O Museo Nacional del Prado possui um acervo incrível com obras espanholas de Goya, Velázquez e outros. A pintura italiana é representada principalmente por Caravaggio e Botticelli, e outros pintores de diversos lugares da Europa tem suas pinturas expostas no Prado. O museu tem também muitas esculturas que deixam meros mortais como eu de boca aberta! Haha. Infelizmente, é proibido fotografar dentro do museu.

O Museo del Prado é gratuito no sábado das 18h às 20h e aos domingos das 17h às 19h (salvo engano). Então, por termos pouco tempo, já que fomos no domingo e chegamos quase 18h, fomos procurar a obra mais famosa (atualmente) no museu: A Gioconda (Monalisa):

GIOCONDA museo del prado madrid

(essa é uma foto de um cartão postal que Carol comprou no museu, já que não deu pra fotografar a original, né?)

Pra quem não conhece a história da cópia da ”La Gioconda”, tá perdendo muita cultura, viu? Todos conhecem a Mona Lisa, claro. Até pouco tempo pensavam que a Gioconda (cópia) era só mais uma cópia da Gioconda original – A Mona Lisa – , mas, recentemente, foi descoberto um fundo no quadro, que antes era negro, e com isso acabaram sabendo que a obra foi pintada por um aprendiz de Da Vince ao mesmo tempo que a Mona Lisa estava sendo criada, por isso é a cópia mais perfeita que se tem da mesma.

Ah, quem ainda não foi no Prado ver a cópia, corre, porque pelo que li ela fica aqui na Espanha até março e depois vai ser transferida pro Museu do Louvre pra ficar ao lado da irmã gêmea.

Vimos algumas obras pelo museu, corremos pra ver a Gioconda e depois fomos pra área das esculturas, então não posso falar muito porque apenas conheci algumas salas, mas pretendo voltar!

Um pouco de cultura é sempre bom, né? :)

Beijos e até o próximo post!